SEF – A deriva autoritária *

O direito à greve fica proibido se não der jeito à “retoma”?

Todos se lembrarão de que o primeiro estado de emergência incluía medidas de restrição grave do direito à greve, que serviram para esmagar as greves dos estivadores e dos enfermeiros.

Entretanto, o governo decidiu que já não é preciso decretar o estado de emergência para proibir greves.

O sindicato dos inspectores do SEF marcou um ciclo de greves para o mês de Junho, para protestar contra a intenção do Governo “de extinguir o SEF”.

O SEF celebrizou-se pelas piores razões. A sua função policial nas fronteiras consiste essencialmente em aplicar a política da União Europeia contra os imigrantes de países pobres. O governo pretende continuar a fazer a mesma política, mas, aparentemente, redistribuindo a função repressiva pelas outras polícias. Para os trabalhadores portugueses, como para os imigrantes sujeitos à política repressiva da UE, nada muda. Saber qual o chefe da polícia que vai mandar no cassetete é indiferente.

É assim a política burguesa: quando há um “azar”, é preciso parecer que se faz alguma coisa, a ver se os jornais e comentadores se interessam por outra coisa e deixam de chatear.

No entanto, o que o sindicato dos inspectores da SEF, funcionários públicos assalariados, convocou não foi um debate sobre a extinção ou não do SEF. Foi uma greve, direito fundamental de qualquer trabalhador.

O governo reagiu de imediato – decretando a requisição civil.

Os argumentos: “preservação da segurança interna e o adequado controlo da situação pandémica”. Justificações completamente absurdas. A greve obrigaria, sem dúvida, a anular voos nas respectivas faixas horárias, por não se poderem cumprir as normas de controlo sanitário e de “segurança” à entrada no país. Com os voos anulados, ninguém entraria. A situação sanitária não se alteraria.

Mas o governo lá dá, então, a verdadeira razão para a medida: a greve “constituiria um efeito dissuasor da vinda de turistas estrangeiros, pondo em causa a possibilidade de recuperação económica por via do turismo, impedindo a esperada retoma deste setor.

Portanto: o governo proíbe uma greve porque ela tem efeitos económicos nocivos “para o país”, ou melhor, para um sector.

É verdade que, quando os trabalhadores deixam de trabalhar, nota-se.

Imagine-se, em contrapartida, um Ricardo Salgado, um Luís Filipe Vieira, um Moniz da Maia, todos os grandes homens e investidores, “entrarem em greve”, deixarem de se apresentar ao serviço, sabe-se lá, por causa de uma estada atrás de grades. O que aconteceria? Nada. A produção e a economia  continuariam sem qualquer perturbação

É uma diferença importante.

É o próprio de qualquer greve que, quando os trabalhadores não trabalham, não produzem. E, portanto, o patrão ganha menos do que ganharia sem greve.

Então, o patrão é obrigado a fazer contas de cabeça: a) o melhor é ceder, que sempre acabo por perder menos; b) mas, se cedo, eles vão-se sentir fortes, e, para a próxima, ainda é pior; c) não cedo, arrisco perder uns clientes; mas, à fome, eles cedem primeiro; d) tento subornar uns fura-greves e despeço os “cabecilhas”; e) falo com o ministro e com o chefe da polícia. E por aí fora.

São as típicas reflexões estratégicas próprias da guerra de classes.

Ao argumentar com os efeitos económicos da greve para proibir a greve, pouco importa qual, o governo outorga-se carta branca para, na prática, abolir o direito à greve. Greve sim, quando muito, se não tiver efeito nenhum – e, por conseguinte, não servir para nada.

E, a respeito do atentado brutal ao direito à greve encerrado na requisição civil do governo, que disse a direcção do Bloco, no esquerda.net, no bloco.org ou na comunicação social?

Salvo erro ou inatenção, nada.

 

* Título da responsabilidade de Via Esquerda

1 comentário em “SEF – A deriva autoritária *”

  1. Não sei se o SEF deve ser extinto ou se quem devia ser banido por incompetência é quem faz a selecção de RH para o SEF e a respectiva tutela.
    Por outro lado, se a intenção de extinguir o SEF é a de atribuir as suas funções às polícias – e acabarem por lá colocar certos agentes do Movimento Zero – é trocar cobardes por frustrados.
    Como não estamos em estado de emergência, só a arrogância e prepotência pode justificar a proibição da greve.
    Entretanto o R.U. decidiu dar uma ajuda, impedindo os súbditos de S.M. de virem à balda embebedar-se em Portugal, pelo que tanto o pessoal de controlo nos aeroportos como os serviços de limpeza das ruas de Albufeira e outras cidades, vão usufruir de certo alívio. E nem tudo é prejuízo: também haverá alguma economia na Invicta, dispensando-se de gastar dinheiro a mobilizar mil ‘agentes especiais’ para controlar os desordeiros britânicos.
    O governo que compense os profissionais de hotelaria eventualmente prejudicados. É preferível gastar uns milhões a ajudá-los, mantendo-os inactivos mas saudáveis, do que deixá-los adoecer com a obsessão do turismo e do PIB e depois terem de ser internados nos hospitais do SNS ou pagar aos privados 8 a 11 mil euros por cada doente.

Deixe um comentário