Resíduos são negócio apetecido

Em 2016, o setor dos resíduos em Portugal faturava quase 2,5 mil milhões de euros e era formado por 2.542 entidades, que empregavam cerca de 25 mil trabalhadores. A atividade do setor dos  gerou uma produção adicional na economia portuguesa de 3,6 mil milhões de euros em 2016, a que correspondem 43 mil postos de trabalho. A estimativa é do estudo “Relevância e Impacto do Setor dos Resíduos em Portugal na Perspetiva de uma Economia Circular”, promovido pela Associação Smart Waste Portugal e realizado por um grupo liderado pelo economista Augusto Mateus.

Esta dimensão do setor da recolha e tratamento de resíduos torna-o um negócio muito apetecido pelos privados. É conhecido o caso da Resitejo, propriedade de câmaras municipais, mas em que tem havido tentativas de o passar para privados.

Segundo a Lusa, o documento refere estatísticas oficiais, apesar de os autores apontarem que a sua “robustez é discutível”, para dizer que em 2016, a economia portuguesa gerou cerca de 14,8 milhões de toneladas de lixo, dos quais 4,9 milhões de resíduos urbanos. Do total de resíduos produzidos, foram valorizados 71%, equivalentes a 10,6 milhões de toneladas.

Apenas metade do total de resíduos urbanos ou equiparados são sujeitos a valorização, “embora a última década se tenha caracterizado por um aumento” deste tipo de tratamento, quando em 2004, era 34,8%, segundo o estudo.

A recolha seletiva – de papel e cartão, plástico, metal e vidro, mas também de resíduos urbanos biodegradáveis – corresponde a 15,9% do total do lixo urbano, “não obstante ter aumentado em anos recentes”, acrescenta.

“O peso da deposição em aterro no panorama nacional ainda é muito elevado, pelo que este é visto como uma oportunidade e uma imposição na mudança de paradigma, tendo as empresas um papel muito relevante nesta transição”, acrescentam os autores do trabalho.

 

Notícia com Lusa. Foto VisualHunt

Deixe um comentário