Questões LGBTQIA+ no interior do país

Sim, ainda há muita homofobia, bifobia e transfobia fora dos grandes centros urbanos, e está mais que na hora de lutar pela descentralização da luta pela integração social de toda a comunidade lgbtqia+ (lésbica, gay, bissexual, transexual, queer, intersexo, assexual e outr@s).

Naturalmente que há problemas para a comunidade lgbtqia+ nos grandes centros urbanos, como Lisboa e Porto, mas quero salientar, aqui, os problemas concretos no interior do país.

No interior do país e em zonas com menos população, por vezes não se tem muito contacto com, nem conhecimento das questões das pessoas lgbtqia+, isso provoca um distanciamento e uma falta de visibilidade. Questões que são independentes da legislação que garante proteção e direitos iguais. É uma questão social e cultural.

Há dois grandes problemas por resolver na integração plena da comunidade lgbtqia+, o distanciamento desta realidade e a falta de visibilidade.

A “visibilidade das questões lgbtqia+”, não é saber quem é lgbtqia+, ou saber quem é, ou não, assumido, isso são questões puramente pessoais. A “visibilidade” é aqui entendida como o a consciência de que existe um conjunto de pessoas que não se enquadram na orientação sexual heterossexual e/ou numa identidade de género fixa e o conhecimento do que isso significa, sem preconceitos.

Dar “visibilidade” é dar-se a conhecer e esse é um passo fundamental para terminar com o preconceito.

O facto de no interior haver tão pouca visibilidade das questões lgbtqia+, faz com que o preconceito reine, mesmo que não haja descriminação física em si (por questões legislativas ou não), há o preconceito vindo da ignorância, que constrói toda uma série de ideias erradas, mas que se tornam parte do quotidiano. E quando há situações de descriminação pública? Em muitos casos, ainda há a cumplicidade silenciosa, ou seja, a passividade para com casos de preconceito e discriminação.

 O distanciamento vem do desconhecimento de que há pessoas de todas as orientações sexuais e identidades de género em… todo o lado.

As pessoas lgbtqia+ fazem parte de todos os campos da sociedade e são pessoas normais, isto significa que terão todo o tipo de personalidades, podemos gostar de umas e não de outras, isso não interessa, são questões pessoais. Mas a distância é uma ilusão, um véu que uma vez levantado acabará com parte dos problemas.

Dizem que as questões lgbtqia+ já estão resolvidas (como já ouvi várias vezes…), eu digo que é mentira, porque ainda há muito por resolver.

Na minha opinião, há um enorme caminho social e cultural, que passa por dar a conhecer, a toda a gente, o que realmente são as pessoas lgbtqia+, qual a relevância e significado das suas reivindicações e acabar com as ilusões das pessoas que pensam que estas pessoas são um grupo distante e fora da sua realidade social.

Há várias formas de aumentar a proximidade e a visibilidade destas questões, nomeadamente: abordar estes temas abertamente, recusar o preconceito vindo de nós ou de outras pessoas e, para quem o conseguir e quiser, produzir mais cultura e informação lgbtqia+ para a população em geral.

Deixe um comentário