Póvoa de Varzim: homens do mar em risco de vida

Em janeiro deste ano, o Ministério do Mar anunciou um investimento de 1,4 milhões de euros para desassoreamento das barras dos portos da Póvoa de Varzim e de Vila do Conde. Vai aplicar apenas 460 mil euros, e só em Vila do Conde.

Para o porto da Póvoa, o Governo só abrirá um concurso no final deste ano, ao qual apenas destina 400 mil euros, com as obras a decorrer já em pleno inverno do próximo ano. Trata-se de uma obra vital para a segurança dos homens do mar. Em causa está o assoreamento da barra da Póvoa de Varzim, onde a situação é “perigosíssima” e a exigir “medidas urgentes”, no dizer do mestre José Festas, presidente da Associação Pró-Maior Segurança dos Homens do Mar.

Os cortes orçamentais nestas operações têm consequências óbvias. Na Póvoa de Varzim, em Abril propunham-se dragar 195 mil metros cúbicos de areias. Em junho, o Ministério anunciou que só iria dragar 30 mil metros cúbicos. Na opinião do mestre Festas “isso é uma loucura”. “Deviam tirar 300 mil, porque mesmo 195 mil já seria pouco“, acrescenta o histórico defensor dos homens do mar.

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, já reconheceu apenas ter verbas para “parte das intervenções”. Para as restantes intervenções, a governante, conta com “o orçamento do próximo ano”.

A vida dos homens do mar parece valer pouco, na hora de ajustar os orçamentos às exigentes imposições da União Europeia.

Foto: site agriculturaemar.com

Deixe um comentário