CONVERGÊNCIA por um BE mais forte

Teve lugar no passado domingo, em Lisboa, o Encontro Nacional CONVERGÊNCIA, reunindo cerca de 200 militantes do Bloco de Esquerda, de várias sensibilidades e vindos de todo o país. A assembleia teve início com uma homenagem a Ana Paula Canotilho e a José Mário Branco.

Na sequência do longo debate, foi aprovado o Manifesto “Alternativas para uma esquerda que não desiste” e eleita a articulação nacional da CONVERGÊNCIA, em lista aberta e por voto secreto.

Este Encontro Nacional debateu como afirmar o BE e contribuir para a sua intervenção na sociedade, em tempos de grande exigência, para recuperar direitos dos trabalhadores, defender os serviços públicos, promover mais justiça social e enfrentar o colapso ambiental.

Foi evidente a disponibilidade para a necessária mobilização de forças e vontades pela igualdade, pela justiça e pelo socialismo — com a afirmação de um Bloco de Esquerda popular, plural, em que se respeita a democracia interna e se valoriza o contributo de todos e de todas.

A sala da Fábrica Braço de Prata, em Lisboa, acabaria por se tornar pequena para este Encontro, pois as participações foram em número superior ao inicialmente previsto. Esse facto diminuiu as condições de conforto e audição, mas não arrefeceu o entusiasmo pelo debate, nem diminui o compromisso para as lutas que aí vêm.

1 comentário em “CONVERGÊNCIA por um BE mais forte”

  1. Só um BE forte unido com suas bases pode crescer e ser a voz dos mais desfavorecidos,
    Ser oposição a um PS arrogante que nunca deixou de ter na direita o parceiro para aprovar medidas contra os trabalhadores e favorecer o capitalismo

Deixe um comentário