Bloco: eventual acordo depende de debate e referendo interno

Delegações do BE e do PS encontraram-se na quarta-feira após as eleições, na sede do Bloco, “para darem início ao diálogo que possa conduzir à negociação do programa do próximo governo”, segundo noticia o portal esquerda.net

No final do encontro, a coordenadora do Bloco anunciou a entrega ao PS de uma proposta “para um entendimento que possa ser plasmado no programa do governo, que garanta estabilidade à vida das pessoas e que reforce uma solução política de horizonte de legislatura”.

De acordo com a moção aprovada na XI Convenção Nacional do BE por larga maioria, um governo suportado pelo Bloco “fará o que o PS recusou fazer, partindo do ponto em que o PS travou, sem tibiezas: relançar a saúde e escola públicas e a dignidade do trabalho, combater o rentismo e recuperar a propriedade de bens estratégicos na economia e no ambiente. Em simultâneo, abrir um processo de alteração dos tratados europeus para a redefinição da política económica e da dívida. Sem essa redefinição, não há espaço para políticas de esquerda.

Por outro lado, a XI Convenção, realizada em Novembro de 2018, decidiu que  “os aderentes do Bloco serão chamados a debater e a pronunciarem-se em referendo interno sobre propostas de acordos com outras forças políticas que eventualmente venham a surgir na sequência dos resultados das eleições legislativas.

Qualquer que seja a decisão a ser tomada pela Mesa Nacional do BE em matéria de eventual acordo pós eleitoral com o PS terá de ser precedida de debate que envolva diretamente os aderentes do Bloco e que culminará, conforme decisão da Convenção Nacional, por um referendo interno, previsto no artigo 17.º dos Estatutos bloquistas. Caso as negociações perspetivem um acordo de suporte ao Governo PS, a Mesa Nacional, que reunirá já no próximo dia 19, deverá aprovar a realização do referendo interno e aprovar um regulamento que o agilize em tempo útil.

 

1 comentário em “Bloco: eventual acordo depende de debate e referendo interno”

  1. Eu também tinha a percepção que, para existir acordo, teria que ser feito um referendo interno junto dos aderentes, conforme ficou decidido na última Convenção do Bloco de Esquerda, realizada em Novembro de 2018!
    Porém, o PS ajudou a resolver esse problema, ao decidir na reunião da sua Comissão Política, não fazer acordos com nenhum dos partidos, mas sim negociar um a um, os vários orçamentos da legislatura, com todos os Partidos á sua esquerda! Agora é estar atentos e decidir o que necessário for, para salvaguardar as linhas mestras do BE.

Deixe um comentário